VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 26 de junho de 2010

A CASA DE PEDRA




Caro leitor,
O livro “A Casa de Pedra” do amigo e autor Marcio Marcelo do Nascimento Sena, está com grande repercussão na mídia. Em seu livro, Marcio relata a rotina de uma escola por “entre os muros” de um dos mais violentos presídios do mundo, a antiga Casa de Detenção Professor Flaminio Fávero de São Paulo, conhecida mundialmente, após o triste massacre de presos no pavilhão Nove, simplesmente como “O Carandiru” , e entre os presos como “Casa de Pedra”… Tendo como pano de fundo a história de um interno que chega ao presídio semi-analfabeto e entre suas muralhas descobre o gosto pela literatura, torna-se escritor e um dos muitos professores-presos do sistema prisional e por fim em liberdade criador de um dos mais atuante sites de literatura o “Beco dos Poetas & Escritores” (www.literaturaperiferica.ning.com) o mesmo nome de sua Editora…”Um história de dor e luta, mas também de vitória” é a frase que resume essa “viagem” no fascinante processo de ressocialização do preso, que muitas vezes julgamos ser impossível….
Acesse o e veja como adquirir seu livro.
WWW.BECODOSPOETAS.COM.BR

Sem tempo ruim...

Os que despertamos todos os dias, a cada dia, com os mesmos problemas, costumamos desanimar.

Dizemo-nos cansados porque a noite, que estabeleceu o intervalo entre o ontem e o hoje, não apagou as dificuldades que ressurgem, com o dia novo.

Angustiamo-nos porque a rotina nos sufoca, os problemas se acumulam, as soluções parecem não chegar nunca.

E nos arrastamos por mais 24 horas.

No entanto, ao ouvirmos relatos de pessoas que sofreram grandes impactos em suas vidas, o que notamos é sua força de vontade vigorosa, a certeza de lutar e vencer.

Uma dessas pessoas é a americana Lauren Manning.

No dia 11 de setembro de 2001, ao entrar no edifício da Torre Norte do World Trade Center, em Nova Iorque, uma bola de fogo desceu pelo poço do elevador e a derrubou.

82% do seu corpo sofreu queimaduras.

As mãos ficaram de tal modo queimadas que nelas só existe tecido cicatrizado e osso.

Seu filho tinha, na ocasião, somente 10 meses de vida.

E, enquanto ele deixou o carrinho para engatinhar, passou a andar, aprendeu a usar o patinete e a bicicleta, ela teve de aprender a se sentar, ficar de pé, andar, usar o copo, o garfo e a faca.

Depois de mais de 25 cirurgias realizadas para enxerto de pele, correção de cicatrizes nas costas, no rosto e nas mãos, Lauren mantém o otimismo.

Os progressos físicos foram conseguidos a duras penas. Graças a uma luva especialmente ajustada, Lauren até consegue segurar uma raquete de tênis. Embora não possa sacar.

Ela ainda visita terapeutas ocupacionais e fisioterapeutas, que a ajudam a alongar as mãos delicadas, terrivelmente queimadas pelo metal quente das portas do saguão.

Com todo esse drama, Lauren diz: Eu não tenho dias ruins.

Ela e o marido aproveitam o que tem: um ao outro e ao filho Tyler que, somente aos 4 anos de idade, soube o que aconteceu com sua mãe naquele dia terrível.

Isso porque viu os pais na TV e, então, lamentou:

Não queria que você tivesse se machucado.

Em verdade, se não tivesse se atrasado, naquele dia, ela estaria no 106º andar, na hora em que o avião se chocou contra a torre. E teria morrido.

O atraso lhe salvou a vida.

Lauren brinca com o filho, sorri ao contar como faz teatrinho com ele, dramatizando histórias e confidencia que adoraria ter mais filhos.

A esperança está viva nela que conclui: A vida não poderia ser melhor.

Sejamos mais otimistas, batalhadores.

Miremo-nos em exemplos como o de Lauren, que existem às centenas.

Agradeçamos a Deus pela vida, pelas nossas dores, pelas nossas vitórias.

Não temamos o fracasso e não alimentemos tragédias.

Vivamos cada dia, com sol, chuva ou tempestade porque, afinal, a madrugada de bonanças surge sempre, concedendo-nos breve trégua, a fim de que nos reabasteçamos de luz e prossigamos.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

A literatura do vestibular

A literatura do vestibular
Especialistas dão as dicas de como ler corretamente as obras literárias pedidas nos vestibulares




Como estudar uma obra literária para o vestibular? Em que prestar mais atenção? Que tipo de relação fazer? Estas são algumas das dúvidas mais comuns dos candidatos que julgam que, para se preparar, basta se concentrar no enredo da história ou nos detalhes dos personagens. Entretanto, as universidades pedem algo além desta análise superficial e solicitam dos estudantes comparações com outras disciplinas.

"Conhecer alguma coisa do autor e do movimento em que está inserido é bom, mas não é tão importante quanto conhecer a construção e a linguagem da obra para saber fazer analogias", afirma a chefe do departamento de semiótica e teoria da literatura da Faculdade de Letras da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), Marli Fantini Scarpelli. "Para compreender a obra em si, como os vestibulares pedem, é preciso entender a perspectiva a partir da qual o mundo é observado e analisado por narrador e personagem."

Em "Grande Sertão: Veredas", de Guimarães Rosa, por exemplo, Marli afirma que o personagem principal relata a experiência de quem vive em um campo de batalha permanente de jagunços, comparável à atual luta dos sem-terra. "A imagem que se capta é a de um Brasil arcaico e truculento, de um local de constante luta pela oligarquia de terras", explica.

Outro exemplo dado pela professora é o livro "Memórias Póstumas de Brás Cubas", do escritor Machado de Assis. "Neste caso, a História do Brasil é retratada por metonímia. O morrer e o reviver do narrador são a imagem da repetição de uma política brasileira marcada por corrupção, nepotismo e estagnação. Relacionar a obra a disciplinas como História, Psicologia e Geografia é uma tendência das instituições, já que por meio da interdisciplinaridade é possível analisar a fundo o conhecimento do aluno".

Além da comparação com situações atuais, é fundamental que o vestibulando saiba sobre a época em que o livro foi escrito. Como na maioria dos vestibulares muitas das obras cobradas são de antes da segunda metade do século XX, os estudantes entram em contato com um olhar de mundo diferente daquele com que estão acostumados. A professora titular de literatura brasileira da UFBA (Universidade Federal da Bahia), Eneida Leal Cunha, afirma que captar a visão do autor é extemamente importante. "Com ela, os vestibulandos ampliam a experiência de mundo que possuem. Por isso, a literatura é importante para todos os candidatos, sejam eles de Medicina, Letras ou Matemática. O que se espera é que eles sejam capazes de perceber aquilo como uma experiência diferente da sua e característica de uma época".

Regina Carvalho diz que um dos objetivos das listas de bibliografia para o vestibular é reciclar os professores do ensino médio que preferem trabalhar com autores já consagrados a ousar com os mais novos. "Existe muita coisa nova de qualidade", afirma.

Segundo Eneida, apesar das provas de vestibular não cobrarem dados dos escritores, é bom conhecer o movimento literário em que se encaixam para conseguir fazer associações entre obras do período. "Mas não significa memorizar as características do estilo. Os vestibulares não perguntam este tipo de coisa. É necessário ir mais a fundo, compreender a obra e entender seu tempo", afirma a professora do curso de Jornalismo da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), Regina Carvalho. Para compreender a sociedade retratada, a professora diz que os candidatos devem estar atentos aos costumes e à psicologia das personagens. "É extremamente importante prestar atenção na linguagem do livro. As obras antigas têm uma forma de tratar a língua muito diferente da atual", diz. Regina alerta que se o candidato interpretar a história e os diálogos literalmente corre o risco de não entender grande parte do enredo. "Antigamente, a língua se escondia atrás de muitas coisas como, por exemplo, a ironia - que, em alguns momentos, era muito camuflada".

Na opinião de Marli, é preciso ainda compreender a construção do livro. Ou seja, deve-se prestar atenção no foco e na estrutura narrativa e não se ater ao nome das personagens e ao enredo da obra. "Só assim é possível captar o lugar a partir do qual narrador e personagem lançam o olhar sobre o mundo. Prestando atenção à linguagem e às imagens, ou seja, à descrição do espaço, dos objetos e das atitudes das personagens, é possível perceber se o lugar retratado é ideológico, revolucionário, preconceituoso ou retrógrado". Segundo a professora mineira, toda obra literária contém uma imagem do mundo e é importante verificar a forma como o autor constrói a sua no livro estudado. Por este motivo, as três especialistas defendem que não é suficiente ler apenas os resumos fornecidos pelos cursos pré-vestibular. "Não dá para analisar a linguagem e captar a mensagem do livro em um resumo", sentencia Eneida. Já para Regina, eles podem servir como uma "primeira leitura de contato". Mas, em seguida, o estudante deve ler a obra toda para realmente conseguir entender as questões da época.

Fonte:( www.universia.com.br/preuniversitario/materia.jsp?materia=998)Publicado em 01/11/2002 - 01:00