VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sábado, 27 de julho de 2013

ESPERANÇA







Mantenha viva a sensação da presença de Deus dentro de você, para que seu corpo irradie otimismo e amor.

Do livro MINUTOS DE SABEDORIA, de C. Torres Pastorino

Troque o poço pelo posso



Todos conhecem a história de estar no fundo do poço. Mas quão fundo se pode cair? Quão difícil pode ser a tentativa de subir?

Às vezes uma pessoa desenvolve um pessimismo total. A vida torna-se vazia, sem sentido. O colorido desaparece e tudo ganha tons acinzentados.

Às vezes ouço pessoas que falam que não há mais sentido em viver. Porque viver?

É mais fácil acabar tudo de uma vez por todas, é o que dizem.

Como se a única expectativa fosse olhar para as paredes lodosas de um poço profundo.

Já não há mais forças ou vontade de tentar escalar. Mas será impossível?

Se essa pessoa encontrasse molas enterradas no fundo desse poço e as usasse para ganhar impulso em um salto, seria uma solução?

Se essa pessoa tivesse um galho de árvore pendente à boca do poço seria uma solução?

Bela idéia, pois poderia ganhar impulso no salto e se agarrar ao galho da árvore. Mas a mola e o galho não bastam para que saia do poço. Ainda é necessário que queira se agarrar. É fundamental que queira se segurar ao galho.

Não existe mola ou galho no mundo que tire alguém de um poço se a pessoa não quiser.

A mola pode lhe oferecer a propulsão que precisava, mas, ainda assim, suas pernas terão que se movimentar. O galho pode servir-lhe para acabar de sair de dentro das paredes, mas, mesmo assim, precisará de suas mãos para segurar.

Enfim, a vida pode lhe oferecer molas e galhos. Mas você quer movimentar pernas e mãos?

É mais fácil reclamar de tudo, ao invés de lutar? É preferível acomodar-se no fundo do poço e esperar o fim? É mais fácil fugir da vida?

Pense nisso: Troque o poço pelo posso

sexta-feira, 19 de julho de 2013

MELANCOLIA

 



É rápido como uma sombra, curto com um sonho
Breve como um relâmpago na noite fria
Que com melancolia revela tanto o céu quanto a terra
E antes que o homem consiga dizer "Veja!"
Os dentes da noite o devoram.
E assim, depressa, tudo o que é luminoso
Desaparece em meio à perplexidade.


William Shakespeare

SARAU DE POESIAS


Sarau do Beco faz 03 anos

GRUPO EDITORIAL BECO DOS POETAS E ESCRITORES LTDA.
TEM A HONRA DE CONVIDÁ-LOS PARA ESSE EVENTO, DIA 28/07/13.

terça-feira, 16 de julho de 2013

Empresa testa relógio para pagamento de passagem de ônibus




 Mundo dos eletrônicos!Relógio é equipado com o mesmo chip usado nos cartões de pagamento de transporte urbano Foto: Reprodução

A Rede Ponto Certo, uma das empresas responsáveis pela recarga do bilhete único em São Paulo, está iniciando no Brasil os testes de um relógio de pulso que permitirá efetuar o pagamento das passagens de ônibus. O dispositivo, chamado de Watch2pay, tem um chip com as mesmas funções do cartão de pagamento, e será testado nas cidades de Recife e Ribeirão Preto.

"A tecnologia do relógio permitirá que os usuários de transporte público paguem a passagem de forma simples, rápida e segura. Basta encostar o dispositivo no leitor e a operação será efetuada", afirma Nelson Martins, presidente da Rede Ponto Certo. O recarregamento do relógio será feito nos terminais de autoatendimento da Rede Ponto Certo.

O relógio foi criado pela empresa austríaca Laks, e será distribuído pela Yellowgreen, em parceria com a rede Ponto Certo. Segundo a empresa, países como Turquia, Inglaterra, Rússia e Polônia já adotaram o Watch2pay como meio de pagamento. 

Como esté ainda em fase de testes, o dispositivo não está sendo comercializado. 



Fonte:Terra.com.br

Peregrinos argentinos se preparam para encontro com Papa Francisco

 

 

 Entre todos os peregrinos que vêm para a Jornada Mundial da Juventude, alguns têm um motivo muito especial para encontrar o Papa argentino.

 

Entre todos os peregrinos que vêm para a Jornada Mundial da Juventude, alguns têm um motivo muito especial para encontrar o Papa argentino.
Tudo para eles é uma festa, aliás, muitas festas. Para ajudar na viagem.
“Arrecadamos dinheiro com bailes. Vendemos comida, muitas coisas”, conta uma jovem.
Eles mesmos fizeram as lembrancinhas que pretendem distribuir no encontro.
A maior caravana que vai para o encontro é da Argentina, a terra do Papa. Muita gente, de Buenos Aires. Mas são poucos os representantes da periferia. A favela 1-11-14 tem 50 mil habitantes, a maioria é de paraguaios, bolivianos e peruanos. Dela vai sair um grupo de 15 jovens.
Eles vão enfrentar 40 horas de estrada para chegar ao Rio de Janeiro. É o de menos: antes da chegada de Bergoglio ao Vaticano, participar do encontro nem estava nos planos.
Os jovens contam que ninguém esperava, mas de repente, veio o padre e disse: "meninos, há possibilidade de irmos, porque há gente que vai ajudar com dinheiro".
E Bergoglio nessa paróquia é de casa. Era comum a presença do atual Papa entre os mais carentes. Um católico lembra que recebeu dele o batismo e a primeira comunhão, mas confessa que levou um susto quando disseram que Bergoglio havia se tornado Papa.
E seja qual for a história, a paróquia ou a condição social, os jovens levam a mesma curiosidade.
“Espero saber como vivem Jesus, as demais pessoas do mundo, porque a cada um Jesus chega de diferentes formas”, diz um jovem.

Fonte: Jornal Nacional

 

 








O nome do novo Papa da Igreja Católica

Grupo de argentinos ainda celebram a eleição do Cardeal de Buenos Aires, Jorge Berglglio
Grupo de argentinos ainda celebram a eleição do Cardeal de Buenos Aires, Jorge Bergoglio
Sucessão

O nome do novo Papa da Igreja Católica foi anunciado, às 20h12 (horário de Roma, 16h12 horário de Brasília), na quarta-feira, 13 de março de 2013. O anúncio foi feito da sacada central da Basílica de São Pedro pelo primeiro cardeal da ordem dos diáconos: Cardeal Protodiácono Jean-Louis Tauran.
Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco, nasceu em 17 de novembro de 1936, em Buenos Aires, na Argentina, e é agora o primeiro Papa Jesuíta.
O atual Pontífice de Roma foi criado cardeal presbítero, em 21 de fevereiro de 2001, e recebeu a barrete vermelha e o título de São Roberto Belarmino. Como purpurado, Bergoglio tornou-se conhecido pela humildade pessoal, pelo conservadorismo doutrinário e pelo compromisso com a justiça social.

Fonte: Canção Nova

Papa Francisco no Rio de Janeiro









A onda de protestos iniciada no país em junho alcançará o papa Francisco em sua passagem pelo Rio de Janeiro. Pelo menos duas manifestações já estão confirmadas para a próxima semana, durante a Jornada Mundial da Juventude. Os atos ocorrerão em Copacabana, nos dias 26 e 27.

Nesta segunda-feira à noite haverá uma plenária do Fórum de Lutas, grupo que reúne estudantes e representantes de diferentes movimentos sociais, para decidir sobre possível apoio a essas manifestações e discutir sobre novos atos durante a visita do pontífice à cidade.

Batizado de "Papa, veja como somos tratados", o protesto do dia 26 está previsto para as 17 horas, com concentração na estação de metrô Cardeal Arcoverde. Os organizadores afirmam que o ato não é contra a vinda do pontífice nem contra a Igreja Católica, e pretendem aproveitar a visibilidade da JMJ para protestar contra a corrupção e pela melhoria dos serviços públicos.

A partir das 18 horas, o papa estará no palco montado a um quilômetro do local de concentração da manifestação para acompanhar a via-sacra, programação da JMJ na qual um elenco de 300 pessoas encenará, na orla, o trajeto percorrido por Jesus em Jerusalém até a crucificação.

No sábado, dia 27, a Marcha das Vadias organiza um ato a partir das 14 horas. A concentração será no Posto 5, de onde os manifestantes devem caminhar pela orla em direção ao Posto 2. Neste dia, as atividades da Jornada se concentrarão em Guaratiba, na Zona Oeste do Rio, onde ocorrerá uma série de shows durante todo o dia, além da vigília.

Cabral - Os manifestantes voltam às proximidades da casa do governador Sérgio Cabral nesta terça. Convocado no Facebook pelo grupo Anonymous Rio, o protesto será em defesa das CPIs para investigar os gastos da Copa, o uso do helicóptero pelo governador e pedir a desmilitarização da Polícia Militar. No dia 4, uma manifestação realizada no mesmo local foi fortemente reprimida pela PM.

Fonte: Cidade News Itaú

domingo, 14 de julho de 2013

Feliz aniversário







Um momento especial de renovação para sua alma e seu espírito, porque Deus, na sua infinita sabedoria, deu à natureza, a capacidade de desabrochar a cada nova estação e a nós capacidade de recomeçar a cada ano.
Desejo a você, um ano cheio de amor e de alegrias.
Afinal fazer aniversário é ter a chance de fazer novos amigos, ajudar mais pessoas, aprender e ensinar novas lições, vivenciar outras dores e suportar velhos problemas.
Sorrir novos motivos e chorar outros, porque, amar o próximo é dar mais amparo, rezar mais preces e agradecer mais vezes.
Fazer Aniversário é amadurecer um pouco mais e olhar a vida como uma dádiva de Deus.
É ser grato, reconhecido, forte, destemido.
É ser rima, é ser verso, é ver Deus no universo;
Parabéns a você nesse dia tão grandioso.

Uma História Real e emocionante






 
Possivelmente você já ouviu ao menos falar sobre os três tenores. O italiano Luciano Pavarotti, os espanhóis Plácido Domingos e José Carreras.

O que talvez você não saiba é que Plácido Domingos é madrileno e José Carreras é catalão. E há uma grande rivalidade entre madrilenos e catalães.

Plácido e Carreras não fugiram à regra. Em 1984, por questões políticas, tornaram-se inimigos.
Sempre muito requisitados em todo o mundo, ambos faziam constar em seus contratos que só se apresentariam se o desafeto não fosse convidado.

Em 1987, Carreras ganhou um inimigo mais implacável que Plácido Domingos. Foi surpreendido por um terrível diagnóstico de leucemia. Submeteu-se a vários tratamentos, como autotransplante de medula óssea e trocas de sangue. Por isso, era obrigado a viajar mensalmente aos Estados Unidos.

Claro que sem condições para trabalhar, e com o alto custo das viagens e do tratamento, logo sua razoável fortuna acabou. Sem condições financeiras para prosseguir o tratamento, Carreras tomou conhecimento de uma instituição em Madrid, denominada Fundación Hermosa. 

Fora criada com a finalidade única de apoiar a recuperação de leucêmicos. Graças ao apoio dessa fundação, ele venceu a doença. E voltou a cantar.

Tornando a receber altos cachês, tratou de se associar à fundação. Foi então que, lendo os estatutos, descobriu que o fundador, maior colaborador e presidente era Plácido Domingos. Mais do que isso. Descobriu que a fundação fora criada, em princípio, para atender a ele, Carreras. E que Plácido se mantinha no anonimato para não o constranger por ter que aceitar auxílio de um inimigo.
Momento extraordinário, e muito comovente aconteceu durante uma apresentação de Plácido, em Madrid. De forma imprevista, Carreras interrompeu o evento e se ajoelhou a seus pés.
Pediu-lhe desculpas. Depois, publicamente lhe agradeceu o benefício de seu restabelecimento.
Mais tarde, quando concedia uma entrevista na capital espanhola, uma repórter perguntou a Plácido Domingos por que ele criara a Fundación Hermosa. Afinal, além de beneficiar um inimigo, ele concedera a oportunidade de reviver a um dos poucos artistas que poderiam lhe fazer alguma concorrência.

“A resposta de Plácido Domingo foi curta e definitiva:”

- Porque uma “voz como essa não se podia perder.”



Fonte: história tirada do livro “Histórias que fazem bem” do autor DANIEL COLOMBO.

Despedida aos amigos

 


Até aqui viajamos juntos.
Passaram vilas e cidades, cachoeiras e rios, bosques e florestas...
Não faltaram os grandes obstáculos.
  Frequentes foram as cercas, ajudando a transpor abismos...
As subidas e descidas foram realidade sempre presente.
Juntos, percorremos retas, nos apoiamos nas curvas, descobrimos cidades...
Chegou o momento de cada um seguir viagem sozinho...
Que as experiências compartilhadas no percurso até aqui sejam a alavanca para
alcançarmos a alegria de chegar ao destino projetado.
A nossa saudade e a nossa esperança de um reencontro aos que, por vários
motivos, nos deixaram, seguindo outros caminhos.
O nosso agradecimento àqueles que, mesmo de fora, mas sempre presentes, nos
quiseram bem e nos apoiaram nos bons e nos maus momentos.
Dividam conosco os méritos desta conquista, porque ela também pertence a
vocês. Uma despedida é necessária antes de podermos nos encontrar outra vez.
Que nossas despedidas sejam um eterno reencontro.


(Autor Desconhecido)

Para conhecermos os amigos







 

Para conhecermos os amigos é necessário passar pelo sucesso e pela desgraça. No sucesso, verificamos a quantidade e, na desgraça, a qualidade. 
(Confúcio)

POESIA é tudo de bom!






Sarau do  Beco.

Carlos Drummond de Andrade






Carlos Drummond de Andrade

Nasceu em Minas Gerais, em uma cidade cuja memória viria a permear parte de sua obra, Itabira. Seus antepassados, tanto do lado materno como paterno, pertencem a famílias de há muito tempo estabelecidas no Brasil  . Posteriormente, foi estudar em Belo Horizonte, no Colégio Arnaldo, e em Nova Friburgo com os Jesuítas no Colégio Anchieta.

 Formado em farmácia, com Emílio Moura e outros companheiros, fundou "A Revista", para divulgar o modernismo no Brasil.5
Em 1925, casou-se com Dolores Dutra de Morais, com quem teve dois filhos, Carlos Flávio, que viveu apenas meia hora (e a quem é dedicado o poema "O que viveu meia hora", presente em Poesia completa, Ed. Nova Aguilar, 2002), e Maria Julieta Drummond de Andrade.


No mesmo ano em que publica a primeira obra poética, "Alguma poesia" (1930), o seu poema Sentimental é declamado na conferência "Poesia Moderníssima do Brasil"1 , feita no curso de férias da Faculdade de Letras de Coimbra, pelo professor da Cadeira de Estudos Brasileiros, Dr. Manoel de Souza Pinto, no contexto da política de difusão da literatura brasileira nas Universidades Portuguesas. Durante a maior parte da vida, Drummond foi funcionário público, embora tenha começado a escrever cedo e prosseguindo até seu falecimento, que se deu em 1987 no Rio de Janeiro, doze dias após a morte de sua filha.

 Além de poesia, produziu livros infantis, contos e crônicas.

Biografia de Cecília Meireles


 

 

Biografia
Cecília Meireles é uma das grandes escritoras da literatura brasileira. Seus poemas encantam os leitores de todas as idades. Nasceu no dia 7 de novembro de 1901, na cidade do Rio de Janeiro e seu nome completo era Cecília Benevides de Carvalho Meireles.

Sua infância foi marcada pela dor e solidão, pois perdeu a mãe com apenas três anos de idade e o pai não chegou a conhecer (morreu antes de seu nascimento). Foi criada pela avó Dona Jacinta. Por volta dos nove anos de idade, Cecília começou a escrever suas primeiras poesias.  
Formou-se professora (cursou a Escola Normal) e com apenas 18 anos de idade, no ano de 1919, publicou seu primeiro livro “Espectro” (vários poemas de caráter simbolista). Embora fosse o auge do Modernismo, a jovem poetisa foi fortemente influenciada pelo movimento literário simbolista. 
No ano de 1922, Cecília casou-se com o pintor Fernando Correia Dias. Com ele, a escritora teve três filhas.  

Sua formação como professora e interesse pela educação levou-a a fundar a primeira biblioteca infantil do Rio de Janeiro no ano de 1934. Escreveu várias obras na área de literatura infantil como, por exemplo, “O cavalinho branco”, “Colar de Carolina”, “Sonhos de menina”, “O menino azul”, entre outros. Estes poemas infantis são marcados pela musicalidade (uma das principais características de sua poesia). 

O marido suicidou-se em 1936, após vários anos de sofrimento por depressão. O novo casamento de Cecília aconteceu somente em 1940, quando conheceu o engenheiro agrônomo Heitor Vinícius da Silveira.  

No ano de 1939, Cecília publicou o livro Viagem. A beleza das poesias trouxe-lhe um grande reconhecimento dos leitores e também dos acadêmicos da área de literatura. Com este livro, ganhou o Prêmio de Poesia da Academia Brasileira de Letras. 
Cecília faleceu em sua cidade natal no dia 9 de novembro de 1964.  

Canções - Mario Quintana

 




Sinopse - Canções - Mario Quintana
Seu segundo livro de poemas, Canções, é lançado em 1946 pela mesma editora, com ilustrações de Noêmia. O salto decisivo que Quintana empreende nesse livro, em termos formais, consiste na utilização do verso livre e na ampla gama de poemas escritos em verso branco, ou seja, com métrica, mas sem rima. Boa parte desse influxo advém da poesia modernista, com a qual Quintana, em certo sentido, afina sua escrita. Outra mudança que se observa nesse livro é de ordem temática: a inspiração popular. Como assinala Gilda Neves Bittencourt no prefácio de Canções, diferentemente de A rua dos cataventos, o poeta deixa-se levar "mais ao sabor do próprio poema, permitindo que ele o conduza pelos caminhos da sonoridade e da dança, explorando inclusive o espaço gráfico e desligando-se do conteúdo significativo em favor do elemento sonoro dos versos.

CANÇÃO DE DOMINGO
“Quem dança que não se dança?/ Que trança não se destrança? /
O grito que voou mais alto / Foi um grito de criança. //
... O céu estava na rua? / A rua estava no céu? /
Mas o olhar mais azul / Foi ela quem me deu!”
Essa canção, mais tarde foi musicada e gravada por Edu Lobo, ainda no tempo dos discos compactos de 45rpm.

CANÇÕES DO CHARCO
 “Uma estrelinha desnuda / Está brincando no charco. //
Coaxa o sapo. E como coaxa! / Estrelinha dança em roda.” //
... Uma estrelinha desnuda / dança e pula sobre o charco...”


 CANÇÃO DE GAROA
“Em cima do meu telhado / Pirulin lunin lunin,
/ um anjo, todo molhado, / soluça no seu flautim. //
.. E chove sem saber por quê... / E tudo foi sempre assim! /
Parece que vou sofrer: Pirulin lunin lunin...”