VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

terça-feira, 15 de setembro de 2015

10 lições do livro O Pequeno Príncipe


10 lições do livro O Pequeno Príncipe e de Antoine de Saint-Exupéry para o mundo dos negócios

Noções de Administração extraídos de Frases do livro O Pequeno Príncipe e do seu autor Antoine de Saint-Exupéry



"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas".
No mundo dos negócios, em especial na área comercial é imprescindível um bom relacionamento com sua base de clientes. Entender o cliente, bem como seus anseios para com o produto, vai embasar a relação comercial ou para o bem ou para o mal. A frase do livro idealiza a complexibilidade que uma venda mal feita pode gerar, ou vice versa. As empresas devem ser eternamente responsáveis pelos clientes que cativam.
2. "O verdadeiro homem mede a sua força, quando se defronta com o obstáculo".
Ao se levar a frase acima para o campo dos negócios, podemos traçar como paralelo de empresas em época de crise. Os obstáculos são : retração econômica, competitividade, barreiras comerciais ou muito comum na área de TI obsolescência tecnológica. Um bom alicerce é fundamental para que as empresas sejam suficientemente fortes para contornar os obstáculos impostos e atingir os objetivos traçados. Mesmo que para isso seja necessário reinventar-se, como a Apple, IBM, Microsoft e Hewlett Packard e outras que transformaram os obstáculos em trampolim para novos produtos, conceitos e filosofias.
3. "É o espírito que conduz o mundo e não a inteligência".
Não desmerecendo a inteligência, pois se não fosse ela ainda seriamos ( nós humanos ) primatas simiescos um pouco mais desenvolvidos que nossos “primos” macacos. Mas o espírito empreendedor é a alavanca que move o mundo. Haveria Microsoft se Bill Gates, não resolvesse abrir numa garagem o embrião do que hoje é a sua empresa ? Isso sem falar de Ford e de milhares de empreendedores que muito além da inteligência possuem o Espírito de Empreender, de Criar, de Lutar por soluções e por causas que muitos outros não acreditaram.
4. "Conhecer não é demonstrar nem explicar, é aceder à visão".
O conhecimento, é hoje o principal ativo de uma corporação, não tem um valor contábil, nem pode ser explicado em relatórios, pois é intrínseco ao negócio da corporação. Por não ser algo palpável, torna-se subjetivo sua contabilização financeira, quanto vale a Google ? Seus ativos físicos são irrisórios, mas seus ativos de conhecimento valem bilhões. O quanto se perde diariamente no mundo dos negócios por sobrejulgar o cliente e o mercado ? Milhões, Bilhões, pois são raros ainda as empresas que usam o Business Inteligence para conhecer seus ativos, seus clientes e suas falhas. O conhecimento de toda a operação, dos gargalos, tendências e dos fatores internos e externos do dia-a-dia podem e são o trampolim para um salto perfeito ou para um salto numa piscina vazia.
5. "Também somos ricos das nossas misérias"
É na miséria que esta a maior riqueza do mercado, e deve-se entender a miséria como algo bom. A miserabilidade é positiva, desde que, sejamos miseráveis com o desperdício, com a petulância, com os níveis de qualidade e com o grau de detalhamento das estratégias. Deve-se entender a miséria como aquela moeda de um real “garimpada” na sarjeta e que possibilita ao seu dono, adquirir um bilhete de loteria e com ele ganhar milhões. E não só isso, a riqueza está em não se contentar em ver toneladas de soja que ficam nas estradas brasileiras, ou as toneladas de alimentos desperdiçadas nas CEASAS, Supermercados, Restaurantes e na nossa mesa, porque nosso espírito ainda não se tornou miserável em quesitos como esses. A riqueza da miséria esta nos exemplos acima, nos lixões mal aproveitados e na falta de logísticas reversas.
6. "A ordem não cria a vida".
O "Bing Bang" foi originado do Caos, foram em momentos de Caos que houver os maiores progressos da humanidade e não é diferente com o mundo dos negócios. A ordem não fortalece as empresas, mercados previsíveis tornam-se estagnados e dão poucas oportunidades a novos conceitos, novos produtos ou novas empresas. A vida biológica, advém de turbilhões desordenados de espermatozoides em busca por um óvulo para fertilizar, e paralelamente ao levar-se para o dia-a-dia empresarial vem do caos de milhões de ideias, de informações e tentativas de acerto e erros que originam produtos, conceitos e mercados. A vida, as empresas e nós devemos estar em eterna transformação, devemos explodir caoticamente em “Big Bangs” para depois sim ordenar as coisas.
7. "O que nos salva é dar um passo e outro ainda".
Já diz um velho adágio popular, “....uma grande caminhada começa com o primeiro passo.....” e assim é com tudo. Uma grande ideia, só será grande quando colocada em prática. Se hoje somos o que somos, é porque alguém ousou em algum momento. Ficar parado esperando a evolução chegar, não leva ninguém até ela, pois, para isso é necessário um primeiro “empurrão”, colocar em prática, correr atrás e ver o que dá. Thomas Edison tentou, não uma vez apenas , mas, milhares de vezes para obter êxito na invenção da lâmpada incandescente, que foi o primeiro passo para darmos muitos outros e hoje já estarmos com Lâmpadas de Led em nossas residências.
8. "Foi o tempo que perdeste com tua rosa que fez tua rosa tão importante".
Na atual cultura do “Fast-Food” o tempo é precioso. Hoje temos conexões de internet cada vez mais rápidas, milhares de informações “bombardeando” nossa rotina diária, e parece que nunca temos tempo para nada. Tempo nós temos, o que não temos é a capacidade de gerenciar efetivamente o tempo. O tempo é vilão e herói , hoje vivemos o antagonismo temporal. Queremos mais tempo para cultivarmos nossas “rosas”, mas ao mesmo tempo buscamos soluções imediatas para nossos problemas, minimizando deslocamentos, filas, esperas e tudo o que demanda tempo. Produtos, operações e serviços são colocados antecipadamente no mercado sem uma prévia maturação, sem um teste ou sem ter certeza da aceitação, e assim é feito para ganhar tempo, ganhar escala.....etc......... E o que se ganha, prejuízos milionários, “micos mercadológicos” e em muitos casos a perda de credibilidade da marca.
9. "Quando a gente anda sempre em frente, não pode ir muito longe..."
Ao andar para frente sem olhar para os lados ou para trás os riscos para as empresas são enormes. Ao se olhar para trás, aprende-se com os erros, com as pedras de tropeço que são postas no caminho. A linha reta nem sempre é o caminho mais curto para o sucesso, pois entre um ponto e outro pode haver obstáculos que não podem ser ultrapassados, e é ai que se deve olhar para os lados. Ao se olhar somente para frente, corremos o risco de sermos como aqueles cavalos que usam “tapa” para não olhar ao lado. E com isso, se perdem oportunidades, novos rumos, e se precisar retornar a algum ponto não podemos, pois o “tapa” só nos dá uma única visão, a visão da frente.
10. "O que torna belo o deserto, é que ele esconde um poço nalgum lugar..."
O que torna belo o mercado é que no mercado sempre haverá novas oportunidades. Assim como nos desertos temos oásis, no mundo corporativo sempre haverá novas oportunidades. E é ai que as empresas vencedoras se destacam das outras, umas veem poços e outras não. Assim como as empresas, nós como profissionais também devemos ter essa percepção. Ao avistarmos nossos “poços”, sempre teremos uma visão otimista de nossos “desertos”.
Fonte:www.administradores.com.br
Postar um comentário