VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Comportamentos e tradições mudam de geração para geração



Comportamentos e tradições mudam de geração para geração. Basta imaginar que, na época dos seus pais ou dos seus avós, não casar virgem era um insulto e namorar em casa significava assistir TV de mãos dadas no sofá da sala, com a supervisão do sogro. O tempo passa, e as ideias vão se adequando com a nova realidade. Mas, em vez de apenas olharmos para trás e acharmos tudo sem sentido, é muito mais inteligente aprender com os erros e observar os acertos. Por isso, segue aqui uma lista de coisas que podemos aprender com os relacionamentos das gerações passadas:

1. Casar virgem não garante um casamento de sucesso

Hoje sabemos que casar virgem não faz diferença no relacionamento. Pelo contrário, a pessoa que casa virgem nunca teve outras experiências sexuais na vida, o que significa que ela terá pouco a acrescentar no sexo do casal, além de correr o risco de passar a vida toda se arrependendo por não ter vivido aventuras enquanto não era comprometida.

2. Casamentos nem sempre dão certo

Na época em que mulher divorciada era o queima-filme da família e da vizinhança, as pessoas se divorciavam menos, o que não significa que tinham casamentos mais felizes – significa, apenas, que não tinham coragem de se separar devido a repressão. Hoje em dia, cada vez mais pessoas entendem que casamento não é uma obrigação – é uma opção. Você não precisa se casar somente porque todo o resto da sua família se casou. Observe quantos casamentos realmente felizes você conhece e tire suas próprias conclusões.

3. Relacionamentos precisam de igualdade 

Na época em que mulheres eram somente donas de casa, os relacionamentos eram, de certa forma, igualitários – os homens eram responsáveis pelo trabalho duro de sustentar a casa e as mulheres se ocupavam no trabalho nada recompensador de limpar a casa e trocar fraldas. As tarefas estavam divididas (não vamos entrar no mérito de quem se dava melhor nessa.) Hoje, mulheres trabalham tanto quanto os homens e não faz mais sentido que as elas sirvam de babás eternas para os maridos e namorados. Cenas comuns entre nossos pais e avós, como as matriarcas servindo o almoço para os maridos, que terminavam e deixavam o prato na mesa, já não são mais aceitáveis.

4. Colocar os filhos em primeiro lugar não é uma boa escolha

Filhos são uma dádiva, mas você com certeza já presenciou o estrago que eles causam nos relacionamentos quando são colocados em primeiro plano. As mulheres, com seus fortes instintos maternos, costumam achar que o mundo passa a girar em volta do filho no instante em que ele dá o primeiro choro no hospital e se esquecem dos pobres maridos. A atenção, por mais difícil que seja, precisa ser dividida se você não quiser que seu relacionamento vire apenas uma conveniência.

5. Se beijar é preciso 

A escassez dos beijos na boca é um dos sinais mais claros que o relacionamento já perdeu o sex appeal faz tempo. Poucos de nossos pais ainda continuam demonstrando carinho e afeto em público, como costumavam fazer no auge do relacionamento. Não cultivar esse hábito é certeza de uma diminuição progressiva na quantidade de sexo, levando, muitas vezes, à escassez dele.

6. Mentiras sinceras não interessam

Você provavelmente já presenciou o efeito de uma mentira no relacionamento de seus avós ou pais. E, olhando de fora, é mais fácil observar como uma mentirinha boba se transforma em uma bola de neve, capaz de acabar com qualquer relacionamento feliz.

7. Filhos dão muito trabalho


Você provavelmente já se pegou imaginando como seus pais tiveram tanta paciência para te criar. Filhos são a continuidade da família, mas dão muito trabalho e demandam muito dinheiro. É preciso pensar duas vezes se você realmente se considera preparado ou se diz que quer ter filhos porque acha que esse é um fator obrigatório dentro de todas as famílias.

8. Lealdade é uma característica admirável e rara

Não importa qual tipo de relacionamento seus pais tiveram, você provavelmente pode aprender a importância da lealdade – seja pela presença ou falta dela. Para um relacionamento longo durar, não basta que ambos sejam fiéis, eles precisam ser leais. Lealdade implica em respeito por aquele que você escolheu, em todos os momentos da vida. É poder ter a certeza que você vai ter sempre alguém para cuidar e alguém que cuide de você.

9. Boas parcerias podem durar mais do que imaginamos

Difícil acreditar que duas pessoas possam estar há 50 anos juntos e felizes, mas isso, felizmente, acontece. Com nossos pais e avós aprendemos que boas parcerias podem durar muito tempo, mas que as ruins, já começam com prazo de validade determinado.

10. É preciso manter contas separadas

A intimidade de um casal é tanta, que as pessoas muitas vezes se sentem na obrigação de dividirem até suas contas. Você provavelmente já presenciou brigas e problemas em família causados pelas famosas contas conjuntas. Na dúvida, melhor cada um cuidar do seu dinheiro, e dividir ou presentear sempre que for possível.

11. Você também vai envelhecer

Os nossos pais e avós são o nosso lembrete diário que todo mundo vai envelhecer um dia – inclusive você. Esse fato nos lembra que beleza e atração física não são garantia de nada. Vale muito mais a pena ter alguém com quem ter uma boa conversa, pois boas conversas, ao contrário da beleza, se tornam melhores ainda com o tempo.
Postar um comentário