VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

quarta-feira, 8 de abril de 2015

O mal de Alzheimer e a depressão


Uma pesquisa brasileira acaba de dar uma contribuição decisiva para o melhor entendimento de dois dos principais flagelos da saúde mental: a depressão e o mal de Alzheimer. A depressão, que já atinge 350 milhões de pessoas, é considerada o mal do século XXI pela Organização Mundial da Saúde. O mal de Alzheimer atualmente aflige 36 milhões, mas espera-se que esse número dobre até 2030. Agora, pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) encontraram um mecanismo bioquímico que liga os dois distúrbios. Em um trabalho feito em animais, eles verificaram que o acúmulo de uma neurotoxina no cérebro leva ao desenvolvimento de sintomas de ambas as doenças. Tratadas com antidepressivos, as cobaias apresentaram melhora com relação aos dois quadros. O resultado do estudo, assinado pela equipe do Instituto de Bioquímica Médica da instituição fluminense, foi divulgado na última edição da “Molecular Psychiatry”, publicação do grupo da prestigiada revista científica inglesa “Nature”.
Há algum tempo os cientistas observavam uma associação entre as duas enfermidades. O mérito dos pesquisadores brasileiros foi desvendar exatamente o que as une. O elo é feito por um composto chamado oligômero de abeta. Trata-se de uma substância tóxica que, em pacientes com Alzheimer, apresenta-se em maior concentração. Como se dissolve com facilidade no líquido cerebral, vai aos poucos degenerando a capacidade de memorização de informações – a perda gradual da memória é um dos principais sintomas da doença.
O grupo da UFRJ descobriu que essas mesmas neurotoxinas também provocam prejuízos no sistema cerebral que regula o humor. Ainda não se sabe claramente o mecanismo pelo qual isso ocorre. Acredita-se que a substância interfira na fabricação da serotonina (composto cujo desequilíbrio está associado à depressão) ou que desencadeie um processo inflamatório que resulte na enfermidade.


Fonte: www.istoe.com.br
(Pesquisador carioca José Henrique Alves da Cunha, cuja tese de doutorado é a pesquisa.)

Maria 
Jeremias dos Santos

Postar um comentário